Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Gritos mudos no silêncio das palavras!

Aqui toda a palavra grita em silêncio, sozinha na imensidão de todas as outras deixa-se ir... Adjetiva-me então

Tapeçaria Sensorial

Novembro 23, 2023

Carlos Palmito

ginasta-se-preparando-para-competicao.jpg

E é o chilrear dos pássaros em debandada, sob uma lua que se extingue lentamente, até os seus pios se transformarem numa tosse tísica, tuberculosa.

E é o teu observar, com esses olhos de diamante que ainda vêm o jardim que um dia espezinhei.

Descreve-mo, uma vez mais, novamente, e para sempre. Ou, pelo menos, até ao instante em que o espirrar da minha alma seja só um lamento.

E é uma abelha alérgica a pólens, e um mosquito a alimentar-se do sangue de uma carraça.

Descreve-me a que sabem os ossos esqueléticos do que fui. Descreve-me os bálsamos que me entupiam as narinas, e as cores mutantes que queimavam a retina dos incautos.

E é o sangue que escorre das fossas nasais de um agarrado, sarapintado a verde, amarelo e vermelho, com um colchão azul, a nadar com pássaros e mamutes.

Descreve a textura das folhas de pinheiro onde escrevíamos desenhos com a cinza das trovoadas.

E é uma história por contar, segredos que só o caixão ouvirá no dia que eu finalmente adormeça.

Por favor, diz-me como soa o canto dos enamorados junto à árvore que enforcou onze.

Juiz, júri, carrasco, aldraba de uma porta com as cores do trovão. E é um tambor a rufar num baile de surdos, e uma criança, que sonhava ser um avião.

E é um gato com seis vidas, e um carro a flutuar no horizonte. Três perderam-se na sanidade da profecia escrita no hálito da virgem de Sodoma.

E é o adeus do condutor na entrada do inferno, ladeada por papoilas brancas e cânhamo derretido. E é uma viúva solitária num bar de strip. É cega de nascença, comunga com Jesus todas as noites na sua banheira de pregos enrugados.

E é um elefante abalroado por um rato, que foi coroado rei dos esgotos.

E é um marujo perdido nas algas de um rio esventrado, e são as sereias mumificadas ao sol da vaidade.

E é uma jangada à deriva numa poça de chuva e um neurónio a prostituir-se nos becos da internet.

E é o sabor da derme em decomposição, num mar salgado proibido aos pescadores.

E é uma navalha afiada a descarnar os cordões das botas que caminham sem descanso.

E é uma estrada para nenhures. 

E…

Sou eu!

 

Imagem encontrada no Freepik

Mensagens

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D