Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Gritos mudos no silêncio das palavras!

Aqui toda a palavra grita em silêncio, sozinha na imensidão de todas as outras deixa-se ir... Adjetiva-me então

Sorrindo 2 em um

Outubro 21, 2021

Carlos Palmito

245068181_400012968370920_1794337834223436215_n.jp

 

Texto um
 
O despertador já tocou há dez minutos, luto contra a dor, não a física que essa é fácil, mas a do âmago.
Desnudo e em passos resignados, vou e lavo o rosto, os dentes, não a alma, que essa não tenho como o fazer. Contemplo a face no espelho por entre a humidade condensada e noto as olheiras de mais uma noite mal dormida… A expressão apática do meu ser refletida nesta coisa. Volto ao quarto, visto-me, o tempo escasseia, e corro para a saída, onde coloco o ultimo embuste que me faltava, o sorriso… A farsa imposta socialmente.


Texto dois

Ruidosamente ao som de megafones ouve-se o apresentador, quase rouco neste momento de êxtase, enquanto os leões ursos e zebras voltam para o interior das tendas.
--Meninos e Meninas! Senhores e Senhoras! Múmias e Múmios! É com um imensurável prazer que vos apresento o Alfa e o Beto, vulgarmente conhecidos por AlfaBeto.
Os olhos das crianças deleitam-se, os adultos aplaudem e as múmias enrolam-se ainda mais nas suas mortalhas, enquanto os tambores rufam, e aos trambolhões entram dois palhaços com um sorriso de orelha a orelha, sendo de imediato bombardeados por tartes.
Só aqui AlfaBeto sorriam, nunca fora do circo!

Uma vida alaranjada

Outubro 20, 2021

Carlos Palmito

pexels-nadi-lindsay-3384585.jpg

 

Com uma sensual brutalidade fui arrancada da árvore onde nasci e cresci, onde vi irmãos e amigos germinarem para caírem num mundo assimétrico, uns com gritos de êxtase, outros de terror.

Os pequenos olhos castanhos (sempre amei essa cor) fixavam-me com gula, quem sabe algo mais, quem sabe algo menos, e senti-me acariciada pelos dedos na perfeição do toque, na perfeição da temperatura.

A casca foi limpa, quase que lavada num impulso inexplicado (ninguém nunca come a casca) raspas de laranja ao bolo, raspas de mim numa comida qualquer em vossos sonhos.

E foi nesse momento que constatei, vi ainda o brilho no gume afiado, e nada senti, sei que fui penetrada na prata cintilante da noite… na laranja da minha casca, mas nada senti! (deveria ao menos ter sentido dor?)

O licor da minha vida jorrou para fora num intenso sabor de alma, a minha própria, deixando na atmosfera um aroma cítrico, sabia que gomo após gomo ia saciar a tua fome, a tua sede… a tua gula. E quem me saciaria a mim?

À primeira trinca… no primeiro dos meus gomos, gritei, e não de dor como julgara desde que a prata penetrou a minha alaranjada casca… mas sim de prazer!

Como pode algo que deveria causar dor me levar à loucura do desejo? Deixei-me simplesmente ir, gomo após gomo, desejando que nenhum deles fosse o ultimo, e pudesse imortalizar o momento…

 

Foto de Nadi Lindsay no Pexels

Mensagens

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D