Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Gritos mudos no silêncio das palavras!

Aqui toda a palavra grita em silêncio, sozinha na imensidão de todas as outras deixa-se ir... Adjetiva-me então

Desvanecendo-se

Outubro 19, 2021

Carlos Palmito

desvanecendose.jpg

 

É final de tarde, uma vez mais cais na rotina do teu dia a dia, sabes que tens que passar pela máquina que roboticamente te agradece, observando fixamente a tua retina e guardando toda a informação numa base de dados algures na névoa binária. Sentes um gélido calafrio percorrer o teu corpo e os pelos eriçarem-se. Na mente vem a ideia, nunca o consegues evitar “ladra de almas”.

Passas pelo segurança, e afavelmente desejas um até amanhã, com um sorriso nos lábios, não um até já, e jamais um simples boa noite, mas apenas as descomplicadas palavras de até amanhã atravessam os sorridentes lábios meio escondidos pela barba.

Já no exterior retiras a carteira e olhas… “ainda dá para uma cerveja, talvez duas, será que me apetece mais?” Optas pelo primeiro e partes em direção à esplanada.

Com um simples aceno de cabeça cumprimentas quem te não conhece, pequenos gestos que partem quase que impercetíveis a ti mesmo. Cordialidades do ser humano.

Dentro do bar pedes uma cerveja da tua marca preferida, gelada, sorris novamente apenas com os lábios, pagas, pegas nela e diriges-te à mesa onde os amigos estão entre risadas e bafos de tabaco. Sentas-te cumprimentando todos. Escutas com atenção tudo o que falam para conseguires acompanhar a conversa do hoje.

O ultimo gole de cerveja é tragado, pedes uma nova, a conversa é desinteressante, os risos são muitos “que merda faço eu aqui?” e entras na conversa, talvez para não pareceres rude perante a sociedade em que resolveste entrar. Após a finalização da ultima cerveja, sorris de novo com os lábios (se te vissem os olhos) e partes para o exterior, não neva, mas poderia.

De novo no exterior um pensamento assola-te a mente, um quase tão rotineiro quanto a tua rotina, e nessa rotina espiritual tens uma discussão contigo próprio. “Não aprendeste nada no bar.” “Que merda, se eu quisesse aprender ia para uma biblioteca, não para um bar!”, e desvaneces-te na obscuridade da noite.

Mensagens

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D