Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Gritos mudos no silêncio das palavras!

Aqui toda a palavra grita em silêncio, sozinha na imensidão de todas as outras deixa-se ir... Adjetiva-me então

Canção de amor a Amans

Janeiro 28, 2022

Carlos Palmito

271954213_515601749765530_5675295045134371617_n.pn

Do alto deste castelo
chora o meu coração.
Fui assolada por uma visão,
não mais te verei, Amans meu belo!

Sinto-o nos ossos, na alma,
ouve este meu lamento
que enviei ao sabor do vento…
escuta minhas palavras com calma.

A cidade está em chamas,
a ponte de cristal tombou
e eu sou aquela que sempre te amou.
Oh divino deus, porque permitiste tais tramas?

Jamais sentirei teu corpo,
meu amado,
assim reza o fado.
Esta vida foi um sopro.

Ouço passos, vozes, gritos.
O inimigo chegou,
da perfeição apenas isto sobrou,
guarda-a em teus escritos.

Escuto agora pancadas na porta,
nunca me esqueças meu amor,
nunca esqueças a nossa paixão e calor!
Quando chegares já estarei morta.

Mas não importa,
imortaliza-me numa trova,
meu trovador sem trovão…
serei eterna no teu coração!


Mais um poema não declamado na copa!

Foto de quadro encontrada na net

Mensagens

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D