Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Gritos mudos no silêncio das palavras!

Aqui toda a palavra grita em silêncio, sozinha na imensidão de todas as outras deixa-se ir... Adjetiva-me então

Arestas

Dezembro 24, 2021

Carlos Palmito

265375371_959083065026639_954904736731163936_n.jpg

“As minhas arestas são limadas pela consciência, pela alma. Para não ferir. Não deixo de ser em bruto com cantos arredondados.”
As minhas palavras são floreadas com cheiro a vendaval, trazidas na chuva, desenhadas em tinta sobre papel.
Letras definidas e estudadas, por vezes simplesmente atiradas sem mais olhar para trás, no temporal restaram apenas as promessas que nunca foram ditas e os afetos que não foram sentidos.
O espírito descansa, respira, grita e extravasa tudo o que lá está, por vezes na tinta, outras em pensamento, na memória fica o que jamais será professado… e na cicatriz a dor do que ficou por falar.
As minhas arestas são limadas pela consciência, e a consciência guiada pelo coração, e na globalidade dele, na junção dos dois, sei que te amo… só não sei se te mereço!

 

Mensagens

7 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D