Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Gritos mudos no silêncio das palavras!

Aqui toda a palavra grita em silêncio, sozinha na imensidão de todas as outras deixa-se ir... Adjetiva-me então

Verborreia

Outubro 26, 2022

Carlos Palmito

words-1024x682.jpg

Vem, vem ter comigo como se eu fosse a coisa que mais amas, como se eu fosse a chuva de verão, as folhas mortas nos passeios do outono, ou até mesmo a neve que te verga no inverno, poderia também ser uma alergia na primavera… vem, estou aqui, pés descalços e roupa na fogueira.

Sei que não vens, não te vens, sou um exagero, como sempre no excesso que me acomoda na alma, sei que não sou o que mais amas, nem sequer lá perto, sou a exorbitância, e tu… és a esperada chuva de meteoros que finalmente me leva para longe. Contudo, não vens.

Vem então como se me odiasses, sou a picada de um mosquito no verão, a falta de sol no outono, não está nem frio, nem calor, está insalubre; o deslizamento de terras no inverno, a fogueira apagada e os odores a mofo na primavera, sabes? Quando o sol acorda?

Sei que também não vens, não te vens, exagero descomedidamente de novo, mas é como sou, um abutre nas carcaças das palavras, que se esquece das vocalizadas.

Vai então, foge, rápido… não te arrependas e então te venhas pelas palavras não ditas e as histórias que se desenrolam em fumo na chaminé da imaginação do que apenas aconteceu mentalmente, na ilusão, vem… não, espera, vai, foge, enquanto ainda consegues.

E eu, continuo aqui, sentado, a ouvir lamentos mentais, a colocar letras após letras que no final leio e me surpreendem, é a história que conduz o homem, não o homem que conduz a história.

Vem, vem como se não me conhecesses, vamos dançar na chuva do outono e saltar sobre lodaçais, apanhemos gripe, não faz mal, desde que riamos e as estrelas desmoronem sobre as nuvens, misseis intercontinentais na incontinência das palavras.

Vem, vamos embora, dá-me a mão, sorri no amanhecer, na aurora, agora… são horas de dormir, o sonho comanda a vida, a vida comanda os sonhos, dá-me a mão, atravessemos este jardim de silvas, no outro lado existem madressilvas, aqui… carne rasgada.

Vem, acompanha-me, sangra comigo! 

 

P.S. Imagem encontrada na net 

Verborreia em psiquiatria:  Necessidade excessiva de falar, comum em certos doentes mentais. in Priberam

Mensagens

Pág. 1/2

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D