Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Gritos mudos no silêncio das palavras!

Aqui toda a palavra grita em silêncio, sozinha na imensidão de todas as outras deixa-se ir... Adjetiva-me então

Flor do Universo

Outubro 28, 2021

Carlos Palmito

pexels-adrien-olichon-3709430.jpg

 

Saudade no âmago, falta o toque… falta a paixão!
O carinho que acompanhava os momentos, os risos que cortavam o silêncio e o sorriso que anulava o barulho!
Aquele momento brutal e gutural onde eramos um e esse um separou-se, a unidade tornou-se dualidade, se pudesse nulificava o cosmos por apenas um gesto mais…
A luxuria que se foi, e que nunca era somente luxuria… contudo agora é simplesmente uma memória.
A saudade que me destruiu… que me destrói, o ânimo que desapareceu!
Reergo-me a cada sol que nasce, mas sei que não estou completo…
Faltas-me tu… flor do universo!

Foto de Adrien Olichon no Pexels

Senhor teia de aranha

Outubro 27, 2021

Carlos Palmito

Todos os gestos são calculados ao ínfimo pormenor, as entoações de voz e, por vezes, até a própria fala.
Treina sotaques declamando em frente ao espelho, e nesse mesmo local, longe de olhares alheios treina os gestos que vai apreendendo.
Sabe na perfeição o que fazer em qualquer altura, local, e acima de tudo com quem.
Tem noção da máxima tipologia de temas para nunca lhe escapar assunto de conversa, e reinventa-se de cada vez. 
Geralmente, é uma pessoa insegura, daí falsear-se a ela própria, engana o mundo e no fim engana-se a ela própria no seu emaranhado de mentiras.

Importancia das Feiras medievais no contexto atual

Outubro 25, 2021

Carlos Palmito

pexels-maria-pop-339805.jpg

 

Acima de todos os aspetos, temos que considerar o estimulo que estas feiras proporcionam para as economias locais e regionais, pois as bem conseguidas, e as que conseguem fazer vingar o seu nome movem multidões.
Depois, observando por outro prisma, existe o contexto artístico, onde diversos grupos, como por exemplo o Viv’Arte, fazem atuações diferentes, algumas em locais fixos, como anfiteatros, escadarias ou coretos, teatralizam eventos específicos, sendo os mais recorrentes o tema da feira desse ano, e pelo caminho existem também os artistas que se imiscuem entre a população, levando até eles características das épocas medievais, sendo os temas mais recorrentes os cavaleiros, as prostitutas, os pedintes e os leprosos. Estes artistas têm como finalidade dar ao observador uma imersão mais profunda aos tempos medievais, fazer os mesmos sentirem-se lá.
Existem também para além destas conjunturas, o contexto gastronómico, e neste vimos infindáveis barracas, tendas com as suas refeições, receitas ancestrais dadas a provar às pessoas do mundo moderno, mostrando-lhes raízes e tradições de um passado remoto, e que vão muito para além do simples porco no espeto, ou até mesmo a sopa da pedra.
Agora, a não esquecer, que sendo uma feira medieval, ela nos ensina passado, rituais, e história de Portugal. Vivências da plebe e da monarquia, conquistas e percas, lendas de terras que por vezes estão apenas escondidas nos livros mais refundidos de uma biblioteca local.

Foto de Maria Pop no Pexels

Mensagens

Pág. 1/5

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D